Body – uma colagem feita com recortes de revista

Usando elementos metálicos para criar uma página de scrap masculina
17 de setembro de 2017
Chipboard, cristais e respingos de tinta usados na página de scrapbook feita por Ilana Polakiewicz para o Desafio # 69 Scrap entre Amigas
Desafio # 69 Scrap entre Amigas – mini ou maximalista?
16 de outubro de 2017
close da colagem body

Um belo dia, folheando uma revista, decidi fazer uma colagem muito louca, usando apenas recortes de revista. Adoro colagens, revistas, moda, estilo, e vários outros temas tratados em publicações femininas. Gosto de ver as fotos, analisar tudo, a diagramação, a tipografia, o projeto gráfico, os textos, etc. Mas a idéia de fazer essa colagem vem tomando forma há muito tempo, acho que foi quando comecei a perceber que o número de cabelos brancos na minha cabeça tinha chegado a um volume que não dava mais para ser ignorado. Desde então, comecei a refletir com mais profundidade sobre as mudanças que o tempo provoca no nosso corpo e no nosso jeito de pensar. Sempre pensei nesses temas. Mas, quando a mudança acontece com a gente, a percepção é muito maior, não é? Isso me levou a prestar mais atenção às mulheres maduras, às diversas formas de ser mulher e de encarar o envelhecimento e até a morte. Vocês não acham que esses assuntos são muito pouco debatidos?

Estamos o tempo todo enaltecendo a juventude e tudo o que tem a ver com essa fase da vida. Como é ser velho e ao mesmo tempo sexy? Será que as rugas deixam as pessoas realmente mais feias? Ou somos nós que nos acostumamos a dar esse significado à pele enrugada? Onde foi parar o valor da vida bem vivida que deixou marcas no rosto, no corpo e na alma? Porque que as pessoas mais velhas são vistas como seres humanos menos ameaçadores? Isso não é menosprezo pelo fato da pessoa, teoricamente, estar fisicamente mais frágil? Muitas vezes ela está, mental e psicologicamente, muito mais sofisticada.

Minhas reflexões sobre esse tema me levaram a fazer uma desconstrução da minha própria maneira de ver muitas questões relacionadas ao envelhecer e ao feminino. Além disso, pude pensar sobre como quero envelhecer e me enxergar durante esse processo que, acredito ser de empoderamento. Comecei a observar mulheres que tinham assumido seus cabelos brancos e fiz até um painel sobre isso no Pinterest. Também observei as mulheres que não se permitem mudar, perder a casca da juventude, se desconstruir. Muitas acabam virando caricaturas de si mesmas. E eu fico me perguntando até quando é possível fazer isso. Minha intenção não é julgá-las mas entender esse processo todo. E a colagem, que chamei de “Body”, é um jeito de brincar com esse jogo de recortes que fazemos com a nossa aparência, com a nossa imagem, com o nosso entendimento do que é o nosso corpo. A foto usada na colagem é da lindíssima Carmen Dell’Orefice, uma das modelos mais velhas do mundo, hoje com 86 anos. Você pode ver o vídeo da execução da colagem clicando aqui.

Um grande abraço e até a próxima.

 

In English

The other day, flipping through a magazine, I decided to make a crazy collage using only magazine clippings. I love collages, magazines, fashion, style and many other topics covered in women’s publications. I like seeing the photos, analyzing everything, the layout, the typography, the graphic design, the texts, etc. But the idea of this collage has been taking shape for some time now, I think it started when I noticed that the amount of white hair in my head had reached a volume that could no longer be ignored. Since then I have begun to reflect more deeply on the changes that time causes in our bodies and in our way of thinking. I have always though about these issues. But, when changes happen to us, the perception is much greater, isn’t it? This led me to pay more attention to mature women, to the variety of ways of being a woman and to face aging and even death. Don’t you think these issues are very poorly debated?

We are all the time extolling youth and everything that has to do with this phase of life. What’s it like to be old and sexy at the same time? Do the wrinkles make people uglier? Or are we used to giving this meaning to wrinkled skin? Where is the value of a well-lived life that left marks in the face, body and soul? Why are old people seen as less threatening human beings? Isn’t it a type of disdain related to the fact that an old person is theoretically physically more fragile? Often an old person can be mentally and psychologically more sophisticated.

My reflections about this issue led me to deconstruct my own way of seeing many matters related to aging and to feminine. Besides that I could think how I want to age and see myself during this process, which I believe it is an empowering process. I started observing women who have taken on their white hair, I even created a Pinterest panel about women with white hair. On the other hand, I could also contemplate women who don’t allow themselves to age and change, deconstruct and loose the shell of youth. Many of them end up becoming caricatures of themselves. And I keep wondering: until when will it be possible to do this? My intention is not to judge but understand.

The collage, which I called “Body”, is a way to play this game of clippings that we do with our appearance, our image, our understanding of our body. I used a photo of the beautiful Carmen Dell’Orefice, one of the eldest models in the world. She is 86 years old. You can see the video of the execution of the collage clicking here.

See you next time.

 

Colagem Body
detalhe das camadas coloridas da colagem Body detalhe dos círculos dourados e prateados feitos na colagem Body detalhe do nome e dos círculos dourados e prateados feitos na colagem Body

Deixe seu comentário